Ansiedade emagrece? Os efeitos que nossa psicologia causam em nosso corpo são determinantes para o sucesso de processos de emagrecimento.

Nesse sentido, a ansiedade, um distúrbio psicológico cada vez mais comum, desperta uma preocupação sobre seus efeitos colaterais: Ansiedade emagrece ou ela engorda ?

 

O que é ansiedade?

Primeiro de tudo, é preciso ficar bem claro que a ansiedade é um distúrbio psicológico e pode causar inúmeros efeitos danosos em sua vida. Mas será que a Ansiedade emagrece?

Seus prejuízos podem ser tanto físicos, quanto nas relações sociais. Nada na vida de uma pessoa ansiosa está a salvo de seus efeitos. A dimensão amorosa, profissional e social de sua vida é diretamente afetada.

Sendo assim, devemos ter todo cuidado com ela.

Não se trata, contudo de uma vilã integral. A ansiedade é um mecanismo natural do ser humano, responsável por lhe alertar de perigos reais contra os quais é necessário se proteger.

Ao nos alertar por meio do medo, angústia e preocupação, não se corre o risco de ser pego desprevenido.

Em tempo primordiais de nossa espécie, tratou-se de um sentimento fundamental para assegurar nossa sobrevivência.

Mas os tempos são outros e a vida moderna tratou de intensificar esse sentimento, transformando-o em um transtorno.

Em dimensões maiores do que o natural, milhares de pessoas do mundo passaram a sofrer de ansiedade a todos os momentos, não apenas naqueles em que perigos reais se manifestam.

Deste modo, medos modernos, como o de perder o emprego, afetos, poderes, assim como múltiplas outras formas de receios perante a perda de coisas afetuosas, tornaram-se permanente na vida de pessoas.

Também se considera natural a ansiedade durante algum período da vida. Tempos difíceis não são fáceis de se enfrentar. Contudo, ao transcorrer um período razoável e ainda assim ali estiver a ansiedade, aí sim temos um problema.

É essa ansiedade moderna, descontrolada, que estamos nos referindo neste artigo.

Mas afinal, ansiedade emagrece?

Os desdobramentos da ansiedade são amplos.

Sua dimensão psicológica mais preocupante é a sua evolução para o estado de pânico. Neste nível, as situações de medo que foram enfrentadas pela pessoa no passado seguem manifestando-se nas emoções, como se ainda estivessem ocorrendo.

A depressão é outra herança da ansiedade. Por chegar silenciosamente, esta doença filha da ansiedade toma a vida do indivíduo como correntes a um encarcerado. Impotência e tristeza profunda marcam a depressão.

Em conjunto, a autoestima de uma pessoa baixa tanto quanto a ansiedade cresce. A sensação de estar se deteriorando, de não ser desejado e de não possuir qualquer chance de sucesso em qualquer setor da vida é marca de uma autoestima fragilizada pela ansiedade.

A frustração também é outra marca de pessoas ansiosas. Este sentimento pode levar a uma sensação de fracasso permanente e incapacidade de se levantar de qualquer tombinho na vida.

Em conjunto, esses desdobramento da ansiedade são extremamente perigosos para a vida emocional das pessoas.

Descompassos com a vida social surgem nesse cenário. Irritabilidade e distanciamento das pessoas passa a ser praticado como forma de se preserva. O resultado é ainda mais solidão e medos diversos.

Há riscos severos nesse estágios. Auto-flagelação, insônia e até mesmo suicídio ameaçam a pessoa ansiosa.  

Busque ajuda

Antes de qualquer coisa, sobretudo em níveis elevados, é fundamental que a pessoa ansiosa busque ajuda.

O ideal é buscar apoio nos estágios ainda iniciais, quando ainda é mais fácil o tratamento.

Após traumas violentos, é importante agir rapidamente. No caso de quem demorou, jamais esquecer que nunca é tarde para ser saudável.

O profissional ideal para estes casos é o psicólogo ou o psiquiatra. Não por acaso, esses profissionais são importantes parceiros nos processos de emagrecimento. Em especial nos casos onde doenças emocionais afetam o equilíbrio da alimentação e a motivação para levar adiante dietas e treinos.

O enfraquecimento da mente está ligado a do corpo

Na maioria das vezes, a ansiedade está ligada ao aumento de peso. Isso ocorre sobretudo nos casos em que a doença persiste por muito tempo. Normalmente, ela está ligada a efeitos hormonais, alimentares ou comportamentais e deve ser devidamente tratada.

Em relação aos hormônios, a ansiedade pode aumentar a produção de cortisol, o popular hormônio do estresse. Ele está intimamente ligado à produção de gordura no seu corpo, o que acarretará no aumento de peso.

Nas questões alimentares, a ansiedade fará com que seu apetite aumente. Como desgraça pouca é bobagem, ela também fará com que seu interesse por alimentos com alto teor de açúcar seja ainda maior, já que é uma espécie de busca por algo prazeroso para fugir do seu estado emocional.

Quando o assunto são os efeitos comportamentais, vale citar dois males muito comuns: a apatia e a aceleração. A apatia faz com que você perca qualquer interesse em exercícios físicos e a aceleração impede que você faça refeições saudáveis e comendo mais rápido do que deveria. Como todos sabem, quem come rápido demais, acaba comendo mais do que o necessário.

E quando a ansiedade emagrece?

Está ligada principalmente a razões alimentares e comportamentais.

Existem casos em que, muitas vezes movidas por uma ansiedade de curta duração, aguardando resultado de algum exame ou nota de alguma prova, por exemplo, a pessoa não consegue se concentrar em outra coisa e perde até mesmo o apetite.

A razão comportamental se refere a possibilidade da perda de peso pela agitação nervosa ou devido à pouca socialização, que muitas vezes significa comer menos.  

Como controlar a ansiedade?

Três fatores devem ser considerados no controle da ansiedade:

1# – Consuma muita vitamina C. Muito presente em frutas, ela reduz a produção de cortisol.

2# – Consuma alimentos que contém ômega 3, sardinha e salmão, e aqueles que contenham triptofano, como banana e arroz integral.

3# – A prática de exercícios físicos libera serotonina e provoca relaxamento, portanto também deve ser considerado.

Sem dúvida, os exercícios físicos ajudarão a pessoa ansiosa a se recuperar. De modo a resguardar o indivíduo, recomenda-se que a adesão a treinos a serem realizados em casa, onde a pessoa se sentirá mais confortável e sem se intimidar.

Os treinos tendem a enfrentar a ansiedade em duas frentes: a emocional, pois acentua a produção de endorfina, hormônio relacionado aos prazeres e felicidades, e na recuperação da autoestima, em especial mediante a queima de gorduras e alcance de um corpo mais atraente.

Então não se esqueça: não deixa a ansiedade tomar conta de você. Busque apoio psicológico em casos graves e treine com todo o conforto em sua casa!

 

Artigos que podem te ajudar:

 

Deixe Seu Comentario

Comentar